Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Milorde

O Milord do quotidiano

Milorde, 02.09.20

esta.jpg

Santo António com o Menino Jesus em pintura de Stephan Kessler

 

A Maria colocou uma jarra de sumo arroxeado em cima da mesa para o pequeno-almoço. Olhei-a interrogativamente.

- É sumo de ameixa, Milord. Ajuda a melhorar a sua prisão de ventre - esclareceu-me - e, antes que pergunte, não as comprei. Roubei algumas do quintal da vizinha.

- Maria, começo a gostar cada vez mais de si!

A fruta está caríssima! Até eu, quando vou fazer as minhas caminhadas, roubo (ou melhor dizendo, pego!) alguns pêssegos do quintal do Sr. Abílio. Bolinhas, a sua cadela de estimação, já é velha e não consegue correr atrás de mim, então limita-se a fitar-me com aqueles olhos mortiços, abre a boca de sono e deita o focinho nas patas dianteiras, fazendo de conta que não me vê. É tão fácil!

Todos descem a escadaria da minha mansão que range sob o peso dos seus pés para se sentarem à mesa. Sebastião é o primeiro a servir-se. Lá diz a música: "Sebastião come tudo, tudo, tudo...".

O burburinho instala-se, já não consigo ouvir os acordes de Vivaldi do rádio que me relaxam, um outro dia que começa. No entanto, a emissão é interrompida para uma notícia de última hora:

"Continuam os roubos de arte sacra na nossa aldeia, e desta vez foi na igreja. Mais imagens de santos foram roubadas, unclusive a do Santo padroeiro da nossa aldei, o Santo António e, ao que consegui apurar, também desapareceram uns ténis de marca que pertenciam ao sr. Padre e umas moedas que o próprio deixou na sacristia para no dia seguinte comprar pão. O sr. Padre está transtornado porque, ao que parece, não ouviu um único som devido à telenovela que estava a assistir na televisão."

Logo depois ouviu-se a voz do padre:

"Eu coloco o volume da televisão no 50 sabe, a minha audição já não é o que era, e estava a prestar muita atenção porque era no episódio de ontem que se ia descobrir que a mulher estava a cometer um adultério com o melhor amigo do marido, e olhe não dei por nada!"

A voz da jornalista voltou a ouvir-se:

"A população está indignada! Ainda no dia de hoje vai haver uma manifestação à porta da GNR da aldeia que, segundo os habitantes, vai acontecer entre as 18 e as 19 horas, porque a seguir é hora do jantar e no restaurante do Matias vai haver porco no espeto".

A emissão foi retomada mas com outra música diferente, desta vez a Ágata cantava que prefere estar sozinha. A Maria ficou com um ar triste.

- Roubaram a imagem de Santo António. E agora, a quem vou eu pedir um novo marido?

- Ó mãe, sinceramente, não acha que já está um pouco velha para isso? - perguntou o Sebastião.

A Maria deu-lhe uma sapatada na nuca que o rapaz quase batia com o nariz no prato.

- Tu cala-te, que a conversa ainda não chegou ao galinheiro!

A Condessa, que até então estivera muda, deu o ar de sua graça:

- Eu vou dar uma pequena doação à igreja, e acho que deveria fazer o mesmo, mon cher Milord.

Todos os olhares se puseram em mim. Engasguei-me com um pedaço de pão e, se não fosse a Maria a bater-me nas costas, estava a ver que morria sufocado. Esta mulher endoideceu!

- Ça va, Milord?

- Ah oui, madame! Tout va bien. Eu vou pensar no assunto com carinho, prometo - disse para terminar o assunto.

A Maria deu uma gargalhada e disse bem alto, a caminho da cozinha: desista senhora, esse aí não abre a mão nem para dizer adeus!

 

Os dias de Milord

Milorde, 17.10.19

Já não aperto assim tanto o meu cinto. Milord já engordou um pouco à custa dos belos cozinhados de Maria. A minha nova criada pode ter muitos defeitos mas cozinha tão bem que dou por mim a lamber o prato e muitas das vezes até repito uma segunda vez. No outro dia confecionou um pato com laranja que estava divinal! Perguntei-lhe onde ela arranjou o tal pato e ela disse-me que no parque da cidade existem muitos a grasnar e a pedir pão aos transeuntes e que ninguém daria pela falta de um. Começo a gostar mais dela, a mulher é desenrascada.

O mesmo não posso dizer de Sebastião, o seu filho adolescente. O rapaz é irrequieto e está sempre a fazer asneiras. Ainda ontem apanhei-o na minha sala de estar com as calças baixadas e com uma fita métrica a medir a sua pila. Quando soltei um "oh" de espanto ele simplesmente virou-se para mim com um sorriso arreganhado e disse: já tem 15 cm! Gritei pela Maria que veio logo a correr com um chinelo na mão enquanto ele corria pelas escadas acima tentando, atabalhoadamente, vestir de novo as calças.

Misha, o meu gato de estimação, esconde-se sempre debaixo da cama quando lhe digo que está na hora do seu banho. Tento sempre suborna-lo com uma tigela de leite para que ela saia de lá mas o gato simplesmente mia e enrola o rabo, aninhando-se para dormir mais uma soneca, como quem diz: vai à merda!

A chuva continua e os dias começam a ficar mais curtos. A EDP vai ficar contente com isso mas Milord vai deprimir quando vier a fatura para pagar.