Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Milorde

O Milorde fala um pouco mais de si

Milorde, 14.11.22

retro-1483781_1920.jpg

Quando era mais novo todos diziam que era um fidalgo por ser um menino franzino, frágil e cheio de manias.

Na verdade sempre fui um nobre apenas de nome e atitude. Cresci numa casa pobre, fria e decrépita em que não tínhamos água quente para tomar banho, bebíamos água do poço e vestíamos a roupa uns dos outros conforme servisse e só no Natal e na Páscoa é que tínhamos direito a roupa nova. Depois dessas festividades a roupa era guardada protegida por um plástico e só seria usada ao domingo para ir à missa ou numa visita à casa da minha avó. As minhas calças eram remendadas, as meias cosidas à mão.

Tínhamos uma panela grande onde era aquecida a água e a despejávamos numa bacia. Lavava primeiro o cabelo de joelhos no chão e agachado e só depois entrava dentro da bacia como podia para lavar o resto.

Muitas noites fui para a cama apenas com uma tigela de leite morno no estômago ou um parto de sopa de legumes porque a vida não era fácil e não havia carne nem peixe para comer todos os dias. No dia da matança dos frangos que a minha mãe criava nos currais havia sempre comida fresca ao jantar acompanhada de um arroz de feijão caseiro tão delicioso que jamais provei igual.

Nas noites de Inverno, em que o vento era tão forte que entrava pelas frestas das janelas mal isoladas, debaixo de sete cobertores para me aquecer, imaginava como seria a minha vida daqui a alguns anos. Adormecia embalado pela imaginação e com a certeza de que quando fosse grande haveria de conquistar muita coisa.

Hoje tenho tanta roupa que muita nem uso, basta rodar a torneira para a esquerda para a água sair quente, não me falta comida na mesa, tenho um edredão quentinho numa cama grande e tomo comprimidos para dormir.

Já conquistei muita coisa e ainda falta muitas outras que quero conquistar.

O Milorde e aquela tossezinha

Milorde, 22.10.22

cough-6929295_1920.jpg

Chega o outono e apanho uma constipação, é tão certo como dois e dois serem quatro. Começo sempre por tomar um multivitamínico lá para meados de setembro mas mesmo assim o meu sistema imunitário deve ser tão fraquinho que basta as temperaturas baixarem um pouco e tenho logo o pingo no nariz e a garganta que arranha, acompanhado claro da nossa amiga tosse. Aquela tossezinha irritante que se aloja na nossa garganta e lhe faz cócegas só pelo prazer de nos ouvir a tossir a cada minuto que se passa.

E antes que vocês venham aqui falar-me da covid e que deveria fazer um teste só para despiste e bla bla bla, esqueçam! Eu recuso-me a enfiar aquela maldita zaragatoa pelo nariz adentro outra vez nas mãos de uma farmacêutica bruta que ainda tem o descaramento de me dizer "relaxe". Não aguento. Já me bastam os sprays nasais para a minha sinusite que também tenho que os enfiar quase até ao cérebro e sentir aquele jato de substância líquida e ardente que me faz chorar dos olhos.

Pela primeira vez na minha vida vou fazer uma canja de galinha para o almoço. Não deve ser difícil, basta seguir a receita... digo eu assim com uma autoconfiança um pouco duvidosa. Afinal é só cozer a galinha e meter massa lá para dentro, não é? Desejem-me sorte!

 

Frio

Milorde, 21.02.22

soap-bubble-g28190c0c5_1920.jpg

Ao domingo a Maria diz que não quer cozinhar. É o seu dia de folga, diz ela e eu não poderia estar mais de acordo porque a mulher bem o merece. Então, como já é habito em todos os domingos, vamos almoçar a um restaurante e desta vez escolhemos um bufete a peso devido à variedade de comida que o restaurante oferece e assim cada um come o que quiser.

"E então, almoçaram bem?" - perguntam vocês. Para responder com sinceridade digo que: não muito bem. Como na maioria dos restaurantes que já frequentei, a comida é servida praticamente fria! É impressionante a quantidade de vezes em que isto me acontece em Portugal. Em países como a França, Bélgica, Suíça, etc., os pratos ou as travessas em que é servida a comida são devidamente aquecidos, para que quando o prato chega ao cliente o mesmo esteja quente. Já para não falar que estávamos com frio dentro do restaurante, a Maria nem sequer despiu o casaco para almoçar.

O mesmo acontece com as casas. Ainda no outro dia vi uma notícia na televisão que dizia: "morre-se de frio em Portugal". Isto é uma vergonha! Porquê? Porque as casas não estão devidamente isoladas, porque não é obrigatório pela lei que a casa tenha aquecimento, porque é permitido alugarem-se casas que não têm as mínimas condições. É o tal "quem está mal, muda-se!" Varremos os problemas para debaixo do tapete.

Eu tenho aquecimento em casa, aquecimento a gás, mas não me atrevo a ligá-lo! Iria consumir uma botija de gás por semana, e ao preço em que está cada botija... feitas as contas eu não ganho o suficiente para pagar o meu aquecimento.

Também tenho um pequeno aquecedor a eletricidade mas só o ligo quando está mesmo muito frio, por uns 15 minutos para ambientar um pouco, pois ainda me lembro quando o deixava ligado por mais tempo e tive que pagar 80€ na fatura no final do mês.

Sejamos fortes!