Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Milorde

Abandonada

Milorde, 19.10.23

woman-3478437_1280.jpg

Há uma música da Fafá de Belém que se chama Abandonada. Ouvi essa música imensas vezes quando era criança, tantas que ainda hoje sei a letra de cor. Tínhamos um rádio pequeno com um leitor de CDs que não funcionava muito bem, por vezes era preciso dar-lhe uma pancada para que a música começasse a soar, mas quando a minha mãe o conseguia pôr a funcionar era aquela música que tocava, e quando acabava ela voltava para trás para a ouvir uma e outra vez.

É uma canção triste em que a cantora brasileira diz o quanto sofre por ter sido abandonada por alguém. A minha mãe revia-se totalmente na letra, diria mesmo que aquela canção tinha sido escrita para ela, que demonstrava o quanto estava a sofrer por o meu pai nos ter abandonado.

Eu olhava para a minha mãe e via a angústia, a tristeza, o desgosto. Enquanto a música tocava ela ficava com o olhar vazio, perdida nas suas memórias. Tantas vezes que acordei durante a noite com o barulho dos seus soluços abafados pelos cobertores. A minha mãe sofreu muito!

Por vezes as pessoas me perguntam: porque não sais de casa e vais viver a tua vida? Porque ainda vives com a tua mãe aos 37 anos?

A resposta é simples. Porque nunca a vou abandonar! Jamais iria suportar ver novamente o sofrimento dela por estar sozinha. Viva o tempo que a minha mãe viver, eu vou estar SEMPRE junto dela.

 

Uma memória na luz do passado

Milorde, 18.09.23

hands-4051469_1280.jpg

Na minha mente existe um baú precioso repleto de lembranças, uma coleção de experiências que moldaram o meu caminho. Cada lembrança é como uma estrela no vasto céu da minha vida, que brilha com uma intensidade única e que conta a sua própria história.
 
Uma dessas memórias reluzentes remete a uma tarde dourada de primavera, onde o sol se deitava gentilmente sobre as colinas e pintava o mundo com tons suaves e quentes. Naquele dia, eu estava com a minha avó, uma mulher sábia e gentil que tinha o dom de transformar momentos simples em preciosidades eternas.
 
Lembro-me da sua voz suave, contando histórias de tempos idos, enquanto preparávamos uma aletria. O aroma doce e reconfortante da canela e da casca de limão misturava-se no ar, criando uma sinfonia de sensações que perdura na minha mente até hoje.
 
À medida que ela mexia o tacho, partilhava comigo histórias da sua juventude, aventuras que pareciam pinturas vivas. A suas palavras eram como um fio mágico que me transportava para aqueles tempos passados, permitindo-me vislumbrar a vida como ela a conheceu. Era como se estivesse lá, sentindo as emoções, os desafios e as alegrias que ela experimentou.
 
Naquele momento, percebi a magia das memórias, como elas conectam gerações e ensinam-nos sobre a nossa história. Elas são como faróis no meio da escuridão, guiando-nos em direção a quem somos e o que podemos ser. Cada história compartilhada, cada lembrança preservada, é uma contribuição valiosa para o tapete tecido da nossa identidade.
 
Essa memória é mais do que apenas uma lembrança de um dia especial; é um elo vital com o passado e um lembrete constante do valor das histórias e das pessoas que as compartilham. A minha avó é uma luz suave que continua a iluminar o meu caminho, que me guia através dos desafios e celebra as minhas alegrias da vida.
 
Assim, guardo esta e outras memórias com carinho, sabendo que elas são tesouros que enriquecem a minha jornada e moldam a minha visão do mundo. Como guardião desse baú de lembranças, sigo em frente, ansioso para adicionar novos capítulos e histórias à coleção que compartilharei com as futuras gerações.
 

O Milorde emocionado

Milorde, 29.03.23

couple-3723548_1920.jpg

Não só de histórias mirabolantes é feito este blogue. Também gosto, e quero, partilhar aquelas histórias que emocionam qualquer um.

O Sr. Abel e a sua esposa, Eulália, dedicaram toda a sua vida à agricultura e ao comércio de gado. O tempo passou depressa demais e, sem darem por isso, envelheceram e perderam a sua autonomia. As terras que antes serviram para a plantação de batatas e milho ficaram ao abandono. O gado foi todo vendido. E o casal foi para um Centro de Dia.

Encontrei-os, certa vez, quando fiz uma visita ao Centro de Dia com o intuito de fazer voluntariado. O Sr. Abel, sempre com a sua boa disposição, prontificou-se logo para me dirigir umas palavras alegres. Disse-me que conhecia perfeitamente a minha família e que lamentava profundamente a doença da minha avó. A sua esposa, sempre tão bondosa, afirmava tudo aquilo que o seu marido dizia e ria-se das suas piadas.

Não consegui o voluntariado com uma desculpa de que já tinham voluntários que chegassem. Aceitei mas não considerei justo. O tempo foi passando e, qual não foi o meu espanto, quando a semana passada vi um obituário com a fotografia do Sr. Abel. De imediato as memórias daquele dia vieram-me à cabeça.

Ontem estava a jantar quando a minha mãe me mostrou outro obituário no Facebook.

- Olha morreu a Sr. Eulália, a mulher do Sr. Abel, uma semana depois de o marido ter falecido.

Uma semana depois. Provavelmente, ou serei eu um romântico incurável, a Sr. Eulália morreu de desgosto pela partida do marido. Ou então, e já entrando numa parte mais espiritual, o próprio marido a chamou para junto dele.

Sempre que ouço estas histórias sou invadido por uma emoção incontrolável. É o amor verdadeiro, o amor de uma vida que vai para além da morte. Acredito que, onde quer que estejam, estão juntos e felizes e que o seu amor perdure para a eternidade.

O Milorde e uma história de vida

Milorde, 23.11.22

book-3406206_1920.jpg

Em conversa com a minha mãe sobre o amor de uma família, ou a falta dele, depois de um bom almoço que tão bem preparou, disse-me que em toda a sua vida nunca recebeu um beijo ou um gesto de carinho da sua mãe nem do seu pai.

O meu avô materno, que eu não conheci, era um homem muito severo e violento. A minha avó uma mulher trabalhadora. Todas as manhãs bem cedo a minha mãe tinha que ir para o campo cortar erva com uma foicinha para dar de comer ao gado, mesmo nos meses de inverno em que a erva era tão gelada como a neve. Na escola levava uma reguada por cada resposta errada nas mãos estendidas sobre a secretária da professora, à noite tinha que tentar afastar o seu pai quando este, com uma faca, uma arma, um martelo, as mãos, agredia a sua mãe dizendo que ela tinha amantes e que qualquer dia a matava.

A minha mãe casou cedo e depressa saiu daquele ambiente aterrorizador mas não para melhor. Levou a primeira coça do meu pai quando ainda estava grávida de 3 meses. Desmaiou e levou com um balde de água fria para acordar. Divorciaram-se após sete anos de um casamento conturbado e a partir daí a presença do meu pai na minha vida foi muito pouca. A minha mãe criou 3 filhos sozinha com muitas dificuldades e uma educação rígida.

Hoje sempre que vejo o meu pai ele dá-me dinheiro debaixo da mesa talvez para de alguma forma pagar a sua ausência durante tantos anos. Noto na minha mãe que é uma mulher revoltada pela vida injusta que levou mas que se derrete em doçura com os netos.

Eu também em toda a minha vida nunca recebi um beijo ou um gesto de carinho da minha mãe nem do meu pai.

O dia mais feliz com a LadyVih

Milorde, 21.12.21

O dia mais feliz.png

A minha convidada desta semana é a LadyVih, autora do blog A Duquesa e o Gato. A Lady chegou acompanhada pelo seu gato, vestida com um casaco de pelo fofo que lhe chegava até aos joelhos, saltitou por entre as pedras colocadas ao longo do meu jardim para não molhar as suas botas de camurça, e com uma gentileza que só ela tem deu-me um abraço apertado e agradeceu de imediato o convite que lhe fiz, pois diz que o 21 é um número muito especial para ela. E já vão perceber porquê.

O Misha quando viu o acompanhante da Lady ficou logo com um ar de desconfiado e, como dois cavaleiros que se preparam para um duelo, ficaram bastante tempo a olhar-se mas depois o Misha deu meia volta e desapareceu. Rimos os dois pelo sucedido e convidei a Lady a entrar e sentar-se no meu sofá. Pedi à Maria que nos servisse um chá de maçã e canela estava pronto para ouvir o dia mais feliz da Lady.

Ora bons dias ou boas tardes (depende das horas em que estarão a ler isto).

Foi com muito carinho que recebi este convite do Milorde para a sua rubrica. Com mais carinho ainda, pois o mesmo referiu que seria publicada no dia 21 e é um número que tem, para mim, um simbolismo carregado de muito Amor. Como é uma rubrica feliz e em tempo de Natal, é mesmo sobre isso também que eu venho falar.

Nada melhor do que esta época para falar sobre isso, pois o Natal é Família, Amor, Paz, Bondade...

O meu número, como lhe chamo, foi a minha primeira morada - na casa dos meus avós. E foi a morada que escolhi para todas as minhas férias (Verão, Natal, Carnaval...). Costumo dizer que fui nascida e criada no 21. Foi lá que dei os meus primeiros passos, que balbuciei as minhas primeiras palavras, que fiz os meus primeiros amigos, que me escondi com a minha melhor amiga para falar do meu primeiro amor, que aprendi o que era certo e errado... Também foi lá que tive os meus medos pela primeira vez (os incêndios, as cobras, etc), que tive as minhas primeiras quedas, as primeiras cicatrizes...

Fui crescendo, mas o 21 continuava sempre a ser morada dos nossos Natais, dos feriados e dos domingos em família. O 21 era Casa, era Carinho, era Amor. O meu 21 é isso mesmo: Família. É a minha Avó, o meu Avô e o meu Padrinho.

Andei anos a ganhar coragem para tatuar um 21 na minha pele em forma de homenagem. Demorei uma eternidade por medo das amigas agulhas... Mas, há 3 anos atrás, decidi fazer três tatuagens e duas delas em homenagem. Foi a primeira. O meu 21 está agora no meu pulso marcado a tinta, e no meu coração gravado permanentemente, floreado com carinho, cuidado e amor.

A tatuagem, vocês nem sonham a felicidade, o orgulho e emoção que me deu olhar para ela (ainda me dá!). E um dia marcado também por ter conhecido também a minha tatuadora, que é uma das pessoas mais lindas do mundo. Nada é por acaso, acredito. O meu 21 tinha de ser com ela! Não foi num dia 21, mas foi um dia que me encheu a alma!

Obrigada Milorde, pela oportunidade de homenagear, mais um bocadinho, quem me ajudou a ter uma infância feliz. Há sinais que a vida nos dá. E este, nesta época do ano, fez tanto sentido. Obrigada!

 

O dia mais feliz com o Corvo

Milorde, 14.12.21

O dia mais feliz.png

O meu convidado desta semana é o Corvo, autor do blogue O Sítio do Corvo. Vestido de fato e gravata e bem penteado, o Corvo entrou pelos meus portões com um grande sorriso, satisfeito com o meu convite. Começamos por falar das minhas laranjeiras que oferecem lindas laranjas e um perfume inebriante e logo depois sentamo-nos em frente à lareira onde um fogo crepitava. O Corvo tem sempre muitas histórias para contar que eu fui ouvindo deliciado enquanto degustávamos uma chávena de chá de hortelã e uns biscoitos de gengibre e canela.

No entanto a história principal ainda estava por contar e o Corvo não se fez rogado e então contou-me aquele dia mais feliz.

Muito honrado pelo convite do Milorde para dissertar sobre o dia mais feliz da minha vida, apraz-me confessar com toda a sinceridade que foi aquele em que a periquita me disse sim ao meu pedido de casamento. Depois tive mais dias muito felizes mas esse foi o mais feliz, sobretudo porque não esperava que ela aceitasse devido à feroz e acesa concorrência de que era vítima.

Quando lhe perguntei se casava comigo, conhecia-a há seis dias, apenas, quando ali chegara enviado pela minha empresa empregadora, JAEA a fim de realizar um trabalho previsto para dez dias. Fui habitar um quarto de uma casa muito grande, dispensado por uma família composta de um rapaz, esposa e duas irmãs dele que a habitava.

Entrava-se para essa casa diretamente por uma varanda a todo o comprimento da casa, e nas extremidades dela as entradas para a casa propriamente dita. Sobre o lado esquerdo era a entrada para o meu quarto e na parte direita a entrada da dita família. A parte que me fora dispensada além de quarto tinha casa de banho privativa, sala e uma pequena cozinha, que pouca falta me fazia pois desde logo fiz tenção de nunca utilizar tirando, obviamente, o café pela manhã.

Cheguei, instalei-me fui tomar banho e vestir roupa limpa e pensei dar uma volta pela vila a ver aonde podia ir jantar e comer durante os dias que ali estivesse. Nestes preparos saio porta fora para a varanda e deparo-me com uma rapariga que entrava pela porta dela para dentro da sua casa. Achei-a muito bonita e agradável mas não mais que isso. O tal clic não ligou. Saí e encontrei uma pensão, jantei, sentia-me cansado da longa e fatigante viagem, e resolvi ir dormir.

Chego, entro para a varanda já nossa conhecida e reparo em quatro poltronas a todo o comprimento da varanda que antes não vira. Sento-me numa, acendo um cigarro e ponho-me a pensar na melhor maneira de iniciar o trabalho que ali me levara. Subitamente pela porta meio aberta da família moradora, tenho uma visão de sonho envelopada num bonito vestido amarelo clarinho a movimentar-se dentro de casa. Imediatamente todas as preocupações sobre o trabalho se eclipsaram e levantei-me de um salto. Os nossos olhos cruzaram-se e soube imediatamente que encontrara a mulher da minha vida.

Nessa noite pouco ou nada dormi e foi em muito mau estado, físico e racional, que dei início ao trabalho e durante ele só pensava em voltar rapidamente para casa para confirmar se sonhara ou se vivia uma realidade. Voltei, tratei de mim como de véspera, com apenas uma maior atenção. Barbeie-me pela segunda vez nesse dia, coisa que nunca fizera e fui sentar-me na varanda na esperança de a ver outra vez e pus-me a pensar na minha vida. Nunca conjeturei que ela podia ser a mulher do rapaz dono da casa, nem a primeira rapariga que vira. Instintivamente soube com maior clareza do que a do cristal reflete que elas eram as irmãs. Como de facto eram.

Algum tempo depois a família veio cá para fora, o rapaz, a esposa e a irmã mais nova - a primeira rapariga que vira na noite anterior -, sentaram-se cada um numa poltrona, mas ela não. A senhora dona dos meus pensamentos não veio. Fiquei muito triste e infeliz e recriminei-me que a culpa era minha por ter ocupado um lugar que logicamente era dela visto as poltronas serem só quatro.

Apresentámos-nos, conversámos, bebemos conhaque que amável e gentilmente a mulher do rapaz foi buscar lá dentro e por ela soube que a irmã mais nova, essa que ali se encontrava, viera para Angola para se casar com um primo em segundo grau. Ouvi desinteressado porque o que eu queria saber era sobre a outra irmã e por desgraça minha em tanto paleio nem uma palavra sobre ela foi dita.

Como ela não aparecia levantei-me para ir jantar e eles fizeram o mesmo. Levantaram-se e entraram em casa, eu fui jantar, mas como estava por de mais assoberbado pela imagem que me preenchia o todo, nada comi e voltei rapidamente para a varanda. Abençoada intuição. As duas irmãs e a cunhada delas também vieram e pude finalmente conhecê-la. Chamava-se Maria do ... e eu fui o rapaz mais feliz do mundo e cercanias por o saber pela sua boca. Durante quatro dias a cena repetiu-se; eu vinha para a varanda e ela também, às vezes a irmã fazia-lhe companhia, mas era por pouco tempo porque quase sempre lembrava-se que se esquecera disto ou daquilo por arrumar na cozinha e eu ficava sozinho ali com ela e desfrutava do Céu. E foi assim que quatro ou cinco dias depois lhe perguntei se casava comigo.

Ficou muito admirada, respondeu-me que nem sequer nos conhecíamos e eu disse-lhe que a minha alma a conhecia de toda a vida.

- Casas comigo, Maria? Juro amar-te e fazer-te feliz toda a vida.

E ela disse sim, casava mas pedia-me para lhe dar alguns dias de namoro porque nunca namorara na sua vida, e não queria ser a primeira mulher no mundo a casar primeiro e namorar depois.

Aceitei imediatamente. Estar e falar com ela e ouvi-la falar comigo era toda a minha realização. Namoros do meu tempo. Mãozinha dada, às vezes mais ousada, um beijo furtado aqui, outro oferecido ali, realização de duas almas em comunhão. Dois meses depois era e seria sempre a minha adorada mulher até trinta e sete anos depois Deus me dizer que ela já não era minha.

Amei-te quando te vi, e nos teus olhos eternamente me perdi.

 

O dia mais feliz com a Luísa

Milorde, 16.11.21

O dia mais feliz.png

A minha convidada desta semana é a Luísa de Sousa. Todos a conhecem não só pela sua simpatia aqui na blogosfera mas também pelos seus 4 blogues: Uma pepita de sucesso; Blog de Moda e Estilo; Guia do Envelhecimento Ativo; Mais boa forma.  Toda cheia de estilo e perfumada, de salto alto e sorriso rasgado avançou pelo meu soalho de braços abertos pronta para me dar um grande abraço. De seguida sentou-se no meu sofá, cruzou a perna, bebeu um gole do chá de erva-príncipe que lhe foi servido pela Maria de bom grado e com os olhos a brilhar contou-me os seus dias mais felizes!

O dia mais feliz da minha vida...

Foi quando tive consciência dos pais maravilhosos que tenho?

Foi quando reconheci a minha irmã como a melhor amiga de brincadeiras?

Foi quando conheci as pessoas que amei e que ainda amo tanto?

Foi quando me casei?

Foi quando acompanhei a construção da casa dos meus sonhos e que ainda vivo até hoje?

Foi quando soube que ia ser mãe pela primeira, segunda e terceira vez?

Foi quando as minhas filhas nasceram?

Foi quando lhes dava de mamar, de comer, o banho, vi o seu primeiro sorriso, ouvi a sua primeira palavra?

Foi enquanto as via crescer e a se tornarem as pessoas maravilhosas que são?

Foi quando terminei a minha licenciatura e mestrado depois dos 40 anos, com muito esforço e dedicação, apesar de trabalhar muito, ser mãe e esposa?

Foi quando, após tantas tentativas, tantos concursos públicos e pedidos de mobilidade, consegui o meu atual trabalho, que adoro?

Foi quando as minhas filhas acabaram o curso, tiveram o seu trabalho e a sua casa?

Foi quando soube que ia ser avó? Quando a Clarinha nasceu? Quando a Clarinha diz que me ama?

É quando sinto que sou a melhor mãe e avó do mundo?

Sim, sim, sim, sim... foram e são todos estes dias, nestes dias e nestes momentos ... que fui e sou muito feliz!

E noutros dias, noutras horas, noutros momentos ... que fui e sou muito feliz!

A lista seria infinita de dias e de momentos de felicidade!

Porque acordo todos os dias, sabendo que tudo farei para que aquele dia, seja o melhor e o mais feliz da minha vida!