Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Milorde

Não quero ser pobre!

Milorde, 20.10.23

olá chuva, fazias falta, mas vai com calma, sim.p

Eu não quero ser pobre! Ser pobre é tipo ser um super-herói sem super-poderes.
Tu desdobras-te num monte de tarefas heroicas, mas não ganhas nem um cêntimo por isso. E a única coisa que se multiplica na tua vida é a lista de contas para pagar.

Se eu fosse rico, não precisava de fazer o meu próprio pequeno-almoço. Tinha um exército de chefs pessoais que se competiam entre si para preparar a melhor omelete.

Ser rico é poder gastar o teu dinheiro em coisas fúteis, como diamantes do tamanho de ovos de avestruz. Quando és pobre, as únicas coisas brilhantes na tua vida são as moedas no fundo da tua lata de trocos.

Não, definitivamente, eu não quero ser pobre. Ser pobre é como jogar um jogo de xadrez sem saber as regras, enquanto os ricos estão a brincar com peças de ouro maciço.

E sabes uma coisa? Se tu ainda não és rico, só posso dizer: continua a sonhar e a trabalhar, porque, afinal, quem quer ser pobre? A menos que tu estejas a fazer um curso intensivo de humildade e economia, é melhor manteres-te no caminho da prosperidade e do riso. Porque, no final das contas, o riso é gratuito, mas a pobreza... bem, definitivamente não é engraçada!

Abandonada

Milorde, 19.10.23

woman-3478437_1280.jpg

Há uma música da Fafá de Belém que se chama Abandonada. Ouvi essa música imensas vezes quando era criança, tantas que ainda hoje sei a letra de cor. Tínhamos um rádio pequeno com um leitor de CDs que não funcionava muito bem, por vezes era preciso dar-lhe uma pancada para que a música começasse a soar, mas quando a minha mãe o conseguia pôr a funcionar era aquela música que tocava, e quando acabava ela voltava para trás para a ouvir uma e outra vez.

É uma canção triste em que a cantora brasileira diz o quanto sofre por ter sido abandonada por alguém. A minha mãe revia-se totalmente na letra, diria mesmo que aquela canção tinha sido escrita para ela, que demonstrava o quanto estava a sofrer por o meu pai nos ter abandonado.

Eu olhava para a minha mãe e via a angústia, a tristeza, o desgosto. Enquanto a música tocava ela ficava com o olhar vazio, perdida nas suas memórias. Tantas vezes que acordei durante a noite com o barulho dos seus soluços abafados pelos cobertores. A minha mãe sofreu muito!

Por vezes as pessoas me perguntam: porque não sais de casa e vais viver a tua vida? Porque ainda vives com a tua mãe aos 37 anos?

A resposta é simples. Porque nunca a vou abandonar! Jamais iria suportar ver novamente o sofrimento dela por estar sozinha. Viva o tempo que a minha mãe viver, eu vou estar SEMPRE junto dela.

 

Um bom vinho!

Milorde, 12.10.23

statue-4029352_1280.jpg

O Sr. Joaquim convidou o padre da freguesia para ir jantar a casa dele.

O padre aceitou de imediato o convite mas com uma condição: ele quer uma boa garrafa de vinho para acompanhar a refeição e nada daquele vinho do garrafão que o Sr. Joaquim bebe.

Pois então que o Sr. Joaquim, sem esperar tamanha reação do pároco, pegou no seu carro e foi de propósito ao Intermarché comprar uma garrafa de um bom vinho que, diz ele, lhe custou mais de 10€.

As peripécias de um supermercado louco!

Milorde, 11.10.23

supermarket-949913_1280.jpg

Bem-vindos, caros leitores, a um mergulho hilariante no mundo dos supermercados, onde os produtos têm vida própria e travessuras não faltam! Preparem-se para uma aventura de risadas garantidas.

 

Capítulo 1: A Conspiração dos Pães de Forma

Os pães de forma, sempre alinhados nas prateleiras, têm um plano para conquistar o mundo dos pequenos-almoços! Eles estão determinados a formar um exército e dominar as torradeiras.

Um pão ousado sussurra para outro: "Vamos ficar tostados e crocantes para surpreender toda a gente!" O plano estava em andamento, mas, inesperadamente, um pacote de manteiga decidiu aderir à causa. O resultado? Um pequeno-almoço digno de comédia!

 

Capítulo 2: A Revolta das Cenouras

As cenouras, cansadas de serem sempre esquecidas, decidiram organizar uma greve na secção de vegetais. "Chega de ficarmos escondidas nas gavetas do frigorífico!" gritavam em coro.

Uma cenoura destemida liderou o movimento, fazendo discursos empolgantes sobre a importância de uma dieta balanceada. Elas marcharam pelo corredor, atraindo a atenção de todos os produtos. Até mesmo os brócolos se uniram à causa!

 

Capítulo 3: A Incrível Fuga do Frango Assado

Na secção do take-away, um frango assado decidiu que era chegada a hora de escapar. Ele saltou da bandeja e começou a correr pelo supermercado. O pobre cliente ficou perplexo e começou a persegui-lo.

O frango, usando as suas asas de maneira inusitada, fez manobras dignas de um filme de ação, driblando os obstáculos pelo caminho. No final, ele conseguiu sair pela porta do supermercado, deixando todos boquiabertos!

 

Epílogo: O Caos na Caixa

No momento do pagamento, os produtos uniram forças para criar caos na caixa. Os pacotes de biscoitos recusaram-se a passar pelo leitor de códigos de barras, os refrigerantes trocaram de lugar nos carrinhos e as pilhas de papel higiénico começaram a rolar.

Os clientes assistiram atónitos, misturando surpresa com risadas. E assim, nesse dia peculiar no supermercado, os produtos provaram que a comédia está em todos os lugares, até mesmo nas prateleiras do supermercado.

 

Espero que se tenham divertido com estas peripécias hilariantes! Fiquem atentos para mais aventuras absurdas e divertidas. Até a próxima!