Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Milorde

Princesa linda sem fim, que me criou

Milorde, 09.03.22

statue-g0f665d8d8_1920.jpg

Sabem aquelas músicas que ouvíamos quando éramos crianças e quando as voltamos a ouvir uma catrefada de memórias invade a nossa mente?

Isso aconteceu-me ontem quando ouvi algumas músicas do Tony Carreira, um cantor que a minha avó gostava muito. E há uma música que ele dedica à mãe que diz "princesa linda sem fim, que me criou"!

Foi a minha avó que me criou. A minha mãe foi mãe muito jovem e com um casamento conturbado, uma instabilidade financeira incapaz de me dar aquilo de que precisava. Bastava eu entrar por aquela porta e tinha tudo! Talvez nem tudo... mas o amor que eu sentia ali naquela casa enchia-me a alma. Agora sempre que entro lá só encontro o vazio.

A minha avó passava tardes inteiras de domingo a ouvir os concertos do Tony Carreira que passavam na televisão por vezes, antes destes programas que agora passam cheios de números 761 que oferecem muito dinheiro. Cheguei mesmo a comprar-lhe um DVD com um concerto ao vivo desse cantor para ela ver quando quisesse.

A minha avó faleceu há 4 meses. A princesa linda sem fim que me criou descansa em paz de uma vida dura. Por cá ficam as saudades e as memórias.

Agora digam-me vocês: qual é a música (ou as músicas) que vos trazem memórias?

A máquina de café / O preço do café

Milorde, 04.03.22

coffee-g5fa714f25_1920.jpg

Comprei uma máquina de café, a crédito, para pagar em 3 vezes. Ai, o que seria da minha vida sem um cartão de crédito! Espantem-se, meus caros, eu vivi estes anos todos sem uma máquina de café em casa. De verdade.

Não pensem que é uma máquina de café qualquer. Esta não leva cápsulas mas sim café moído que coloco num manípulo tal e qual como aquelas que vemos na cafetaria mas em versão mini. Assim serei mais amigo do ambiente e pagarei muito menos pelo meu café. Sempre a pensar em economizar.

Já repararam no preço do quilo de café que vem em cápsulas? É mais do triplo. Reparei que algumas marcas, com aquelas cápsulas em alumínio de ouro com um café suave e blá blá blá, vendem a 60€ o quilo de café! Um absurdo.

Então, se eu compro uma embalagem de café moído de 250 gramas por menos de 2€, fazendo as contas pago pelo meu café cerca de 8€ o quilo. Uma grande diferença, não é?

Os meus conselhos para hoje: Leiam bem os rótulos, façam as contas, e economizem o mais que puderem, porque isto nao está para brincadeiras!

 

O laboratório X

Milorde, 02.03.22

pill-g9b345b146_1920.jpg

Ontem fui à farmácia aviar uma receita habitual. Disse que queria o medicamento do laboratório X, o mesmo de sempre, e tive como resposta:

- Ah, não sei se tenho desse laboratório! - Assim de maneira fria, quase arrogante.

Afinal tinha e tive a sensação que aquilo lhe custou a engolir. Disse-lhe que certa vez, quando o tal medicamento do laboratório X esgotou, experimentei um outro e que não me senti muito bem, tive alguns efeitos secundários diferentes, e que a minha médica sempre me aconselhou a tomar do mesmo laboratório. Expliquei isto tudo de forma educada para que ela me compreendesse, porque os farmacêuticos também têm este papel de compreender a dor dos outros, literalmente.

- Sabe, se cair num hospital, dão-lhe o medicamento de qualquer laboratório! - Outra resposta no mesmo tom.

Com tudo isto, o que eu gostava de saber era se os farmacêuticos ganham mais, ou menos, tal como uma comissão igual aos vendedores de porta em porta, ao venderem medicamentos de certos laboratórios, porque isto já me aconteceu diversas vezes e em farmácias diferentes.

Quando digo que já experimentei de outro laboratório e que o mesmo medicamento provocou-me efeitos diferentes que o habitual, alguns farmacêuticos dizem que: "sim, isso é possível". Outros engelham o nariz e dizem: "isso é impossível!" Nunca chegaremos a um consenso nesse sentido porque cada pessoa reage de forma diferente a cada medicamento, a cada situação, até mesmo a certos alimentos.

Então, sejamos um pouco mais humanos, por favor!

 

Frio

Milorde, 21.02.22

soap-bubble-g28190c0c5_1920.jpg

Ao domingo a Maria diz que não quer cozinhar. É o seu dia de folga, diz ela e eu não poderia estar mais de acordo porque a mulher bem o merece. Então, como já é habito em todos os domingos, vamos almoçar a um restaurante e desta vez escolhemos um bufete a peso devido à variedade de comida que o restaurante oferece e assim cada um come o que quiser.

"E então, almoçaram bem?" - perguntam vocês. Para responder com sinceridade digo que: não muito bem. Como na maioria dos restaurantes que já frequentei, a comida é servida praticamente fria! É impressionante a quantidade de vezes em que isto me acontece em Portugal. Em países como a França, Bélgica, Suíça, etc., os pratos ou as travessas em que é servida a comida são devidamente aquecidos, para que quando o prato chega ao cliente o mesmo esteja quente. Já para não falar que estávamos com frio dentro do restaurante, a Maria nem sequer despiu o casaco para almoçar.

O mesmo acontece com as casas. Ainda no outro dia vi uma notícia na televisão que dizia: "morre-se de frio em Portugal". Isto é uma vergonha! Porquê? Porque as casas não estão devidamente isoladas, porque não é obrigatório pela lei que a casa tenha aquecimento, porque é permitido alugarem-se casas que não têm as mínimas condições. É o tal "quem está mal, muda-se!" Varremos os problemas para debaixo do tapete.

Eu tenho aquecimento em casa, aquecimento a gás, mas não me atrevo a ligá-lo! Iria consumir uma botija de gás por semana, e ao preço em que está cada botija... feitas as contas eu não ganho o suficiente para pagar o meu aquecimento.

Também tenho um pequeno aquecedor a eletricidade mas só o ligo quando está mesmo muito frio, por uns 15 minutos para ambientar um pouco, pois ainda me lembro quando o deixava ligado por mais tempo e tive que pagar 80€ na fatura no final do mês.

Sejamos fortes!

A limusina

Milorde, 18.02.22

peugeot-505.jpg

Deveria ter os meus 10 anos quando o meu tio comprou uma Peugeot 505. A carrinha era comprida e sempre que ia dar um passeio com ele imaginava-me dentro de uma limusina tal como a princesa Diana. Fazia questão de me sentar nos bancos de trás e acenava às pessoas que encontrava na rua enquanto o vento revolvia os meus cabelos, ao som de músicas portuguesas das cassetes que ele tinha.

O mais engraçado é que a carrinha tinha alguma proteção contra as crianças e as portas de trás não abriam por dentro, era o meu tio que tinha de as abrir, tal e qual como se ele fosse um chofer e eu uma pessoa de alta sociedade.

Sempre que jantávamos com ele eu vestia a minha melhor roupa e no restaurante pedia um prego no prato porque sabia que trazia sempre uma fatia de queijo e outra de fiambre, uma regalia que raramente tinha em casa.

Já não sei o que aconteceu a essa carrinha, provavelmente deve estar numa sucata ou simplesmente destruída numa pilha de metal compactado, mas as memórias que tenho dela ainda estão dentro da minha cabeça tão vivas que certo dia cruzei-me com um modelo parecido e lembrei-me de tudo isto.

 

Falta de cheiro

Milorde, 17.01.22

cat-g764dd6441_1920.jpg

O teste antigénio feito na farmácia deu negativo, contudo passei o fim de semana com falta de cheiro e perda de paladar. A Maria está ótima e quando lhe digo que não sinto o sabor da comida ela responde-me que assim já não critico os seus cozinhados.

Vi na internet que para voltar a sentir o cheiro tenho que treinar o olfato. Então ando a cheirar todo o gel de banho, champô, detergentes e sabões que encontro para ver até que ponto estou congestionado. Os cheiros mais fortes consigo senti-los, ou seja, não é uma perda de olfato total o que me leva a duvidar se realmente estou infetado com a covid-19 ou não.

Ontem quando cheirei um gel de banho novo que a Maria tinha comprado e ela me disse que cheirava a maçã disse-lhe:

- Maria, não me pode dizer o cheiro, eu tenho que adivinha-lo, faz parte do treinamento que tenho que fazer.

A senhora não se fez rogada e então descalçou um sapato e estendendo-mo disse:

- Então diga-me, Milorde! Ao que lhe cheira?

Dei uma gargalhada tão grande que o Misha assustou-se e fugiu para debaixo do sofá.

Milorde na dúvida

Milorde, 13.01.22

covid-g76fc2b55b_1920.jpg

Pensava eu que com duas doses da vacina estaria protegido. Diziam que mesmo que apanhasse o vírus teria sintomas ligeiros parecidos com uma constipação.

Comecei no domingo à noite por ter uma ligeira irritação na garganta. Segunda-feira senti muito frio e uma dor no peito sempre que respirava, a garganta continuava irritada. Passei mal a noite de segunda para terça com arrepios de frio e uma forte dor de cabeça, daquelas que nos deixam com tonturas.

Comecei por ligar para a linha de saúde 24 que até ao dia de hoje ainda não me atendeu. António Costa anunciou que vai reforçar a linha com mais 700 profissionais de saúde, mas não disse quando, até lá todas as pessoas que tentam ligar para esta linha entupida de pacientes é como se estivesse dentro de uma tombola em que só sai um número premiado de vez em quando.

A farmácia de Barbalimpa não faz testes à covid-19 porque não tem o protocolo, palavras do farmacêutico que me atendeu ao telefone.

Ontem a Maria levou a sua dose de reforço da moderna sem saber se estaria ou não também infetada mas decidiu correr o risco porque não tinha qualquer sintoma. Enquanto esperava por ela "bati à porta" de 3 farmácias que fazem testes mas apenas por marcação e que nos próximos dias estão lotadas. Nada feito. Tenho sobrevivido com paracetamol que é o mesmo que teria de fazer se estivesse infetado.

Hoje a Maria está de cama, cheia de dores e arrepios de frio, mas não sabemos se será efeito da vacina, do covid ou de ambos. A minha garganta dói-me e tenho tosse. Soube de uma farmácia que faz testes por ordem de chegada e vou tentar a minha sorte (sarcasticamente falando).

 

A gelatina faz bem aos ossos

Milorde, 05.01.22

dragon-fruits-ge3c3fb5d9_1920.jpg

Depois que a Maria viu na televisão o Dr. Almeida Nunes dizer que a gelatina faz bem aos ossos, agora todos os dias temos gelatina cá em casa como sobremesa. Existem vários sabores e desta vez compramos com 0% de açúcar. Eu até aprecio mas o problema é que tenho sensibilidade dentária e comer gelatina assim bem fresca causa-me um desconforto muito grande.

Quando lhe disse, a senhora respondeu-me:

- Então não coma! Mais sobra para mim.

 

O bloqueio criativo ainda continua, até estou a escrever sobre gelatina imaginem!

Irritação

Milorde, 04.01.22

dog-g6fc6fee05_1920.jpg

Ando numa fase da minha vida em que tudo me irrita. Já tentei escrever diversos textos que vão parar todos para o lixo porque não acho que são bons para serem publicados. Isso tem um nome que afeta muitos escritores, bloqueio criativo. E isso também me irrita.

Não sei se ainda estou em fase de ressaca das festas, provavelmente estou. A mudança de rotina também me irrita. Irrita-me o barulho dos vizinhos, irrita-me as notificações do telemóvel, irrita-me que a Nairobi na série Casa de Papel da Netflix tenha morrido, irrita-me o excel com todas as suas fórmulas que me dão um nó no cérebro... enfim!

Estou capaz de ir ao Facebook da Cristina Ferreira e começar a insulta-la e ao programa que ela apresentou só para ter o prazer de discutir com alguém, só para perceberem o estado em que me encontro. Alguém conhece umas técnicas de relaxamento? É urgente!

 

7 pecados - Inveja

Milorde, 23.12.21

inveja-por-valquiria-em-27.07.jpg

A Conceição (todos a tratam por São) oferece todos os anos um cabaz de natal com produtos alimentares a todas as pessoas necessitadas da vila. Em meados de Outubro a senhora coloca caixotes de papel perto das caixas dos mini-mercados para que as pessoas possam depositar aquilo que podem doar. Os habitantes aderem e gentilmente enchem os caixotes com bens essenciais como leite, bolachas, massas, arroz, azeite, conservas, etc. No dia 23 de dezembro, tal como uma mãe natal, a São passa pela casa das pessoas e oferece uma cesta cheia de boas coisas que as pessoas carenciadas agradecem emocionadas.

A Ana Luísa quando vê a São passar à sua porta sem parar comenta: a mim ninguém me dá nada, se quero alguma coisa tenho que ir trabalhar e comprar! Anda ela feita tola a ajudar essas malandras que estão bem gordas.

 

In-ve-ja

nome feminino

1. Desgosto pelo bem alheio.

2. Desejo de possuir o que outro tem, geralmente acompanhado de ódio pelo possuidor.

https://dicionario.priberam.org/inveja